NOTÍCIAS

Nicolas Rosner quer cozinhar vitória em Sintra

nrosner 

 

Nicolas Rosner faz com Renato Paço a dupla de wildcards representantes da Praia Grande no Sintra Portugal Pro 2013.

 

Filho de mãe alemã, pai norte-americano mas nascido em Portugal, este bodyboarder de 27 anos é um poster para a globalização, o que explica a mentalidade aberta à exploração de novos horizontes geográficos e também se reflecte, até, na maneira criativa (e explosiva) como surfa.

 

"Comecei a surfar no Magoito e depois acabei por começar a surfar ais na Praia Grande pela qualidade das ondas", explica.

 

A sede de viajar e o passaporte norte-americano permitiram-lhe passar alguns meses este ano no Havai, a trabalhar como cozinheiro e a aproveitar para surfar as excelentes ondas daquee arquipélago dos EUA.

 

"Fartei-me de trabalhar, pelo que surfava quando tinha tempo disponível. Depois, aproveitei o dinheiro que amealhei lá e fui viajar durante um par de meses para a Indonésia."

 

Viagens e boas ondas a pensar na água fria da praia Grande...

 

"O objectivo era treinar para esta prova. O Mundial é sempre um ponto alto da minha temporada e tenho sempre muita vontade de surfar nesta prova", admite Rosner, que se estreou no Sintra Portugal Pro em 2002, com 14 anos, e já conseguiu chegar às meias-finais da prova, em 2005.

 

O ano passado, Rosner chegou à terceira ronda do main event do Grand Slam, a par de Miguel Adão, o que, aliado a uma boa prestação no Nacional que se realizou na Praia Grande no passado fim-de-semana (chegou às meias-finais e foi premiado com a melhor manobra do campeonato [na foto], lhe abre boas perspectivas.

photo

"O nível é muito alto e o facto de ser uma prova do circuito de qualificação, com muitos atletas esfomeados por pontos que lhes permitam chegar à Grand Slam Series. Mas vou tentar fazer até melhor que o ano pasado. Estou confiante e com vontade de ir o mais longe possível!"

Um estrutura de luxo

2
 
 
Ao cabo de 18 anos de trabalho, o Sintra Portugal Pro já adquiriu mecanismos e limou arestas ao ponto de se tornar uma máquina super eficiente. Parte importante do sucesso deste evento, elogiada pelo General Manager do circuito, o austraiano Alex Leon, como "um exemplo para os promotores de etapas da IBA em todo o Mundo", passa pela magnífica estrutura.
 
Com cerca de 300 m2 de área funcional, a estrutura do Sintra Portugal Pro 2013 engloba uma área de imprensa, duas áreas de fisioterapia e massagens (uma para público e outra dedicada exclusivamente a competidores), secretariado, três casas de banho independentes com tratamento químico diário, armazém e área VIP.
 
Um quartel-general que assegura o excelente funcionamento do mais prestigiado evento de bodyboard da Europa e o mais antigo do circuito europeu. 
 
 
 
 

Renato Paço um "sintrense de gema" no top mundial

Renato Paço

 

Renato Paço será uma das figuras de proa do bodyboard nacional no Sintra Portugal Pro 2013. O bodyboarder português com melhor classificação de sempre no Circuito Mundial de Drop Knee da IBA, com um quinto lugar em 2009, é também um local da Praia Grande e um autoproclamado "sintrense de gema" que cresceu junto às ondas da Praia Grande.

 

"As minhas primeiras memórias remontam ao final dos anos 80, quando se realizavam na Praia Grande as etapas do Mundial de surf. O Mark Occhiluppo ou o Nick Wood paravam muito aqui e eu, que era um puto da praia acabei por ser uma espécie de mascote deles", recorda o atleta apoiado pela empresa alemã Hormann.

 

Renato assume que as suas maiores influências foram surfistas e não bodyboarders, e nomes como André Pedroso, João de Macedo e Pedro Caldas, entre outros.

 

"Sabia que queria ir para a água e acabou por se proporcionar fazê-lo com uma prancha de bodyboard. Mas como a minha influência vinha do surf e de 'big riders' da Praia Grande, acabei por enveredar pelo Drop Knee, que tem mais a ver com o surf", explica.

 

Saltando para o Sintra Portugal Pro de 2013, as expectativas de Renato são conservadoras:

 

"É uma prova imprevisível. O nível é elevadíssimo e tudo pode acontecer. Tenho como referências neste evento o sul-africano Sacha Specker, o peruano Cesár Bauer e o haviano Dave Hubbard. Mas da mesma forma que nunca esperava chegar ao quinto lugar do top mundial em 2009, também sei que tudo pode acontecer aqui."

 

De resto, o envolvimento de Renato na vida da Praia Grande e do concelho de Sintra tem outras ramificações, como o apoio ao candidato do PSD para a Câmara Municipal de Sintra, Pedro Pinto, algo que Renato defende com convicção:

 

"É um grande prazer que, como sintrense que sou, apoio Pedro Pinto à Câmara Municipal. Tem sido um apoio importante na minha actividade e é alguém em quem acredito para ajudar a causa do surf e bodyboard como actividades dinamizadoras do concelho."

 

Sintra Portugal Pro lança 18ª edição de história de sucesso

confimprensa2

 

 

O Sintra Portugal Pro (27 Agosto a 1 de Setembro, na Praia Grande) aquece motores para a sua 18ª edição e fez hoje de manhã, em Sintra, num espaço gentilmente cedido pela autarquia para o efeito, a conferência de imprensa de
lançamento da prova.

 

Presentes estiveram o presidente da Federação Portuguesa de Surf, João Aranha, o vereador do Turismo da Câmara Municipal de Sintra, Lino Ramos, e alguns dos mais representativos atletas a competir no Sintra Portugal Pro: Pierre Louis Costes, francês campeão do Mundo em 2011, Rui Pereira, melhorclassificado português no ranking de qualificação mundial (GQS), na 10ª posição, o vice-campeão nacional Hugo Pinheiro e a campeã nacional Catarina Sousa.

 

"É com grande prazer que a Câmara Municipal de Sintra apoia este evento que mostra a diversidade de oferta turística deste concelho e esperamos, apesar de todas as dificuldades financeiras, poder continuar a promover
este evento", afirmou o representante da autarquia, o vereador Lino Ramos, que apesar de estar a chegar ao final do seu mandato prometeu estar em futuras edições do Sintra Portugal Pro "como adepto do desporto".


O presidente da FPS, João Aranha, sublinhou igualmente o papel decisivo da autarquia na realização deste evento que marca a agenda desportiva do Verão há quase duas décadas:

 

"A FPS agradece à Câmara Municipal de Sintra, o principal sponsor do Sintra Portugal Pro. De facto, sem o apoio da autarquia seria virtualmente impossível realizar este grande evento. Resta-me desejar boa sorte a todos os competidores e esperar que a vitória sorria aosportugueses."


Catarina Sousa, campeã nacional e única portuguesa a ganhar a competição feminina na etapa mundial da Praia Grande, recordou que o Sintra Portugal Pro foi a sua primeira competição internacional:

 

"Foi em Sintra que comecei a competir em Mundiais e foi na Praia Grande que consegui a minha, até hoje, única vitória num Mundial, por isso, ficará sempre gravada no meu coração."

 

Curiosamente, também Pierre Louis Costes teve no Sintra Portugal Pro a sua estreia internacional:


"Foi aqui que competi no meu primeiro Mundial, quando tinha 13 anos, por isso ter vencido aqui o ano passado foi muito especial."


"PLC" está ainda a recuperar de uma lesão (costelas partidas) sofrida no Taiti o mês passado, quando embateu com violência num recife e ainda está em dúvida para defender o título:


"Estou a recuperar depressa e ainda tenho esperança de poder surfar no Sintra Portugal Pro, mas ainda não posso garantir nada..."

 

Rui Pereira, actual 10º classificado do GQS, joga uma cartada importante na luta pelo acesso ao Grand Slam Series, a "Fórmula 1" do bodyboard, onde apenas 24 privilegiados têm lugar garantido e onde nenhum português figura
este ano.


"O Sintra Portugal Pro pode ter peso na minha qualificação, mas também pode ter para putros atletas. É uma prova muito imprevisível em que surgem muitas surpresas e alguns vencedores inesperados ao longo
destes anos que já leva de história. Vou fazer o meu melhor para tentar pontuar o máximo. Só posso prometer isso."

 

Hugo Pinheiro, que a par de Manuel Centeno, detém o melhor ranking de sempre num Mundial (6º lugar), nunca conseguiu chegar a uma final do Sintra Portugal Pro. Algo que diz "não pesar", mas que quer tentar ultrapassar:

 

"O meu melhor resultado foi um quinto lugar, em 2009, e a verdade é que já consegui várias finais e resultados de relevo noutros campeonatos no estrangeiro e nunca cheguei a uma final em Sintra. Sinto-me realizado
com a minha carreira mas gostava de conseguir um resultado bonito na única etapa do Mundial em Portugal."