NOTÍCIAS

Sintra Portugal Pro 2016

Catarina de Bronze no Sintra Pro de Pierre

12027578 1648784058671667 2009337785345599686 n Pierre Louis Costes foi o grande vencedor do Sintra Portugal Pro 2015, superando o sul-africano Iain Campbell. O francês, campeão mundial de 2011, somou hoje a sua terceira final em quatro anos, saindo vencedor em 2012 e finalista derrotado em 2013.

Desde aquela derrota na final de 2013 que nunca mais venci nenhuma etapa do Mundial, pelo que parecia que tinha aqui qualquer coisa mal resolvida e, finalmente, voltei aqui para vencer, congratulou-se Pierre Louis Costes, mostrando-se meio surpreendido com o triunfo na Praia Grande: Quase não tenho surfado aqui porque este Verão tenho viajado muito e quase não treinei cá este ano, mas, pelos vistos, foi melhor assim…”

Com estes resultados, e fruto das eliminações prematuras do francês Amaury Lavernhe, do brasileiro Uri Valadão e australiano Lewy Finnegan, Pierre Louis Costes e Iain Campbell dão um salto no ranking mundial da APB, com Iain a passar a segundo da lista e Pierre a terceiro, com duas etapas (Nazaré e Porto Rico) ainda por disputar.

Contas que emprestam novo ânimo a Pierre para o resto do circuito: Sem este resultado, não tinha hipóteses, mas agora não posso falhar nas próximas etapas para tentar ser campão mundial em Porto Rico.

Foi também um dia feliz para as cores nacionais, com Catarina Sousa a alcançar o terceiro lugar da competição feminina. Catarina perdeu com a japonesa Sari Ohhara nas meias-finais mas acabou por levar de vencida a campeã mundial Alexandra Rinder na final de consolação que apura o terceiro e quarto lugar.

O meu objectivo era um lugar no pódio pelo que consegui. Sabia que a Sari Ohhara era uma adversária muito difícil nas condições que tivemos hoje, com o mar a baixar muito mas estou satisfeita com este resultado. Agora é tentar estar na Nazaré, pois ainda não tenho garantido que consiga marcar presença no campeonato. Mas se conseguir, vou dar tudo por tudo para tentar um bom resultado.

Entretanto, a brasileira Jessica Becker vingou da melhor maneira a derrota na final do ano passado, frente à compatriota Isabela Sousa, e bateu Sari Ohhara para o título feminino da prova.

Na competição de Dropknee, o havaiano Dave Hubbard confirmou as expectativas que vinha a semear desde o primeiro dia, vencendo nas meias-finais o peruano César Bauer e, na final, Martin Mouradian, conquistando o seu sétimo título mundial da especialidade.

Finalmente, no Pro Junior, o brasileiro David Barbosa venceu o compatriota Matheus Bastos.

E, de facto, a Nazaré arranca na próxima terça-feira (29 Setembro a 4 de Outubro), na Praia do Norte, numa etapa que decidirá a campeão mundial de bodyboard feminino.





Catarina faz portugueses sonhar

11265301 1647993795417360 8287492015090701666 n

 

E ao quinto dia do Sintra Portugal Pro, todos os olhos se viraram para Catarina Sousa, que passou às meias-finais, derrotando a japonesa Mayomi Tone (8,25 contra 8,00). A única portuguesa que se pode gabar de ter vencido a competição feminina da etapa sintrense do Mundial de Bodyboard parece apostada em repetir a proeza de 2009, quando derrotou a compatriota Rita Pires, numa final histórica deste evento, que completa 20 anos de existência.

“Estou muito feliz por ter vencido hoje, mas gostaria de ter surfado um pouco melhor. Acho que foi, essencialmente, a minha experiência competitiva que levou a melhor”, confessou Catarina Sousa, que se encontra agora a uma bateria daquele que era, desde o início, o seu objectivo para este Sintra Portugal Pro: uma presença na final.

Mas para chegar à final, Catarina terá de superar outra japonesa, nomeadamente, Sari Ohhara, uma das candidatas ao título mundial feminino, numa corrida liderada pela atleta das Canárias, Alexandra Rinder.

“Já perdi duas vezes com a Sari, em Sintra e no Havai, há alguns anos, e sei que é uma competidora de respeito. Mas espero que à terceira seja de vez!...”, atirou Catarina.

Catarina tornou-se, de resto, a única portuguesa sobrevivente na competição, já que Marta Leitão perdeu noutra bateria dos quartos de final, frente a… Sari Ohhara.

Quanto a Nuno “batata” Leitão, fez um heat brilhante frente ao peruano César Bauer nos quartos de final da prova de Dropknee mas o antigo campeão do Mundo da especialidade acabou por sair por cima, afastando a lenda carcavelense.

De resto, e no que toca ao Dropknee, o destaque do dia foi para o heat entre Dave Hubbard (Havai) e Ian Campbell (África do Sul): uma final antecipada em que DHubb saiu por cima com um score total de 17 (8,00 + 9,00) contra um total de 14,15 de Campbell.

Título mundial masculino aceso na Nazaré

Entretanto, a corrida ao título mundial masculino ficou ainda mais interessante com a inesperada eliminação do sul-africano Jared Houston. O terceiro classificado no “ranking” da APB não conseguiu surfar melhor que o brasileiro Helliton Loureiro (11.25 – 13.25) nos quartos de final da prova e juntou-se a Amaury Lavernhe e Uri Valadão, os homens do topo da lista da APB que já tinham sido eliminados neste Sintra Portugal Pro. Destino semelhante teve o australiano Lewy Finnegan, outros dos homens com boas hipóteses de lutar pelo ceptro mundial da APB, eliminado por Dave Hubbard, havaiano que é o campeão mundial em título na prova nacional.

“Sinceramente, mereci perder. Fiz um heat perfeitamente estúpido. Não foi uma má prestação, afinal cheguei aos quartos de final e descarto o mau resultado no Brasil e parto para a Nazaré com vontade redobrada”, assumiu Jared Houston.

Amanhã será o último dia do Sintra Portugal Pro, pelo que a luta pelo título masculino segue para a Nazaré, próxima etapa do Mundial, ainda em ondas nacionais, entre 29 de Setembro e 4 de Outubro.

Trio de damas luta pelo Mundial no Sintra Portugal Pro

12033082 1646421195574620 387961510496836708 n

 

Alexandra Rinder, Neymara Carvalho e Isabela Sousa. Três campeãs do Mundo na luta pelo título de 2015. Alexandra Rinder, das Canárias, a mais nova das três, com 17 anos, tornou-se a campeã mais jovem de sempre, o ano passado, na Praia Grande e este ano chega às ondas da praia sintrense como a líder do “ranking” APB e a única com hipótese de revalidar o título já na etapa portuguesa. Para isso tem de vencer o evento e esperar um deslize das rivais na corrida: as brasileiras Neymara Carvalho e Isabela Sousa, segunda e terceira do “ranking”, respectivamente.

Alexandra, campeã em título, assume o conforto do estatuto e de mais um ano de experiência para contrapor aos nervos do ano passado:

“É diferente. O ano passado foi difícil controlar-me. Este ano, estou mais calma, mais segura. Sei que as coisas podem correr a meu favor, ou não, mas que tenho margem para errar. Vou surfar o meu melhor e ver o que acontece.”

Neymara Carvalho, a lenda do bodyboard brasileiro, seis vezes campeã mundial regressa ao circuito, aos 39 anos, depois de um interregno de um ano em que tentou a carreira política. Felizmente para os adeptos do bodyboard, Neymara não foi eleita para deputada estadual.

“Estou de volta ao que sei fazer”, admite com um encolher de ombros e um sorriso, acrescentando acerca do regresso:

“Este ano venho para competir e ver o que consigo fazer. Felizmente, estou nos lugares de topo novamente mas este ano estou concentrada em voltar a competir. Para o ano, então, será a cem por cento.”

Isabela Sousa, de 25 anos, chega a Sintra motivadíssima para conquistar um quarto título mundial para juntar ao seu palmarés.

“Estou em Sintra como em qualquer outro evento: para vencer. Este ano ainda mais empenhada pois estou na luta pelo título mundial”, assume.

O facto de ter a lenda Neymara Carvalho como rival na corrida torna as coisas ainda mais interessantes para a talentosa brasileira, que traça um paralelo curioso entre si e as outras duas candidatas:

“Eu fui para a Neymara o que a Alexandra é para mim. Eu fui a garota que surgiu para lutar pelo título como a Alexandra agora apareceu na cena Mundial. E isso é muito bacana para o desporto.”

Primeira marcado por condições difíceis

Entretanto, o primeiro dia do 20º Sintra Portugal Pro teve na água a primeira ronda open e a primeira ronda do pro júnior, com a organização a decidir por uma primeira jornada mais curta apostando em melhores condições para o período de competição que, recorde-se, termina domingo, 27.